Postado em 13 de Maio às 10h48

Pesquisa associa falta de oxigênio na vida uterina à esquizofrenia

Ciência (5)

Estudos foram realizados em animais

Cientistas da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo, com apoio da Fapesp (Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo), por meio de estudos em ratos, identificaram associações entre esquizofrenia e danos cerebrais originados pela diminuição do volume de oxigênio na vida intrauterina (hipóxia fetal).

Conforme os pesquisadores, a baixa oxigenação fetal (em ratos) gera disfunções em células do sistema nervoso central e alterações na arquitetura da massa cinzenta dos animais.

O estudo é um avanço no que diz respeito a busca por intervenções capazes de evitar danos nos cérebro de bebês afetados pela falta de oxigênio. Se a hipóxia gera um problema na mitocôndria, talvez um dia possamos melhorar a função mitocondrial em casos de pré-eclâmpsia e evitar a esquizofrenia, esclarece Tatiana Rosado Rosenstock, coordenadora do estudo, em entrevista à Fapesp.

O artigo publicado na revista científica Nature Research, assegura que a esquizofrenia é um transtorno mental multifatorial, associado a vários fatores ambientais, como a falta de oxigênio durante a vida intrauterina.

Apesar desta afirmação, Doutora Lilian Kaempf, médica psiquiátrica, garante não haver consenso quanto às origens da esquizofrenia: Não se tem uma resposta exata. Considera-se como causa a combinação de fatores genéticos, biológicos e ambientais. Os Manuais de Doenças Mentais (DMS) certificam que a doença tem etiologia desconhecida.

Doutora Rosiane Mattar, presidente da Comissão Nacional Especializada em Gestação de Alto Risco da Febrasgo (Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia), ressalta que a pesquisa divulgada pela Nature acende um alerta, contudo, é um estudo experimental realizado em ratos. Não há certeza científica da associação entre hipóxia fetal e esquizofrenia em seres humanos.

As pesquisas devem passar por rigorosos métodos e procedimentos até chegar a comprovações e serem legitimadas pela comunidade científica. Por enquanto, podemos comemorar apenas o avanço do conhecimento quanto aos danos cerebrais relacionados à baixa oxigenação fetal, assim como sobre as possíveis causas (etiologia) da esquizofrenia.

Saúde fetal


A falta de oxigênio nos fetos (hipóxia fetal) liga-se à insuficiência na placenta ou nos chamados anexos, como o cordão umbilical. Os principais danos ao bebê decorrentes da falta de oxigênio são paralisia cerebral, distúrbios no desenvolvimento neurológico e cognitivo. Algumas doenças maternas podem gerar defeitos placentários: Diabetes tipo I, hipertensão, problemas vasculares, pré-eclâmpsia.

Pré-natal

O pré-natal foi instituído para cuidar da saúde materno-infantil. O acompanhamento médico neste período é a melhor forma de proteger mãe e bebê. Doutora Rosiane Mattar garante que as gestantes e seus familiares precisam conhecer e seguir as orientações do médico assistente e ficar atentas a alterações como edema e dores de cabeça, por exemplo. Às mulheres hipertensas, com diabetes tipo I, com problemas vasculares, recomenda-se a consulta pré-concepcional para que inicie a gestação no melhor estado físico possível, afirma Rosiane.

Pré-eclâmpsia

A doença é caracterizada pela hipertensão arterial materna acompanhada pelo excesso de proteína na urina, após a vigésima semana de gestação. Afeta entre 3% e 7% das gestantes, a nível mundial, segundo o Manual MSD.

Dentre os fatores de risco estão: hipertensão crônica preexistente, distúrbios renais, diabetes preexistente ou gestacional, idade materna superior aos 35 anos ou inferior aos 17, história familiar de pré-eclâmpsia, gestação multifetal, obesidade, distúrbios trombóticos.

A pré-eclâmpsia pode ser assintomática, contudo, os principais sintomas são: edema (inchaço) gerado pelo acúmulo de líquido, ganho de peso excessivo, dores de cabeça. A doença deve ser tratada corretamente, caso contrário pode ocasionar deficiência no envio de oxigênio para o feto, restrição do crescimento, danos cerebrais e até morte do bebê. Os riscos pra mãe incluem isquemia materna, podendo danificar órgãos, em particular cérebro, rins e fígado.

Esquizofrenia

Doutora Carol Tamminga, psiquiatra especialista em esquizofrenia, chefe do departamento de Psiquiatria da Faculdade de Medicina da Universidade do Texas, explica que a esquizofrenia é um transtorno mental que envolve alterações no cérebro. É caracterizado por alucinações, delírios, pensamentos e comportamentos anormais, disfunções cognitivas (mental), problemas no desempenho profissional, social, nos relacionamentos e falta de autocuidados.

Os recursos terapêuticos envolvem o uso de medicamentos controlados, psicoterapia e apoio familiar. A detecção precoce e o tratamento favorecem a melhora a longo prazo. A esquizofrenia afeta aproximadamente 1% da população mundial (cerca de 77 milhões de pessoas). É mais frequente do que Alzheimer e a esclerose múltipla, afirma a autora no Manual MSD.

Veja também

Síndrome do coração partido18/12/19 Estresse físico e emocional causa descarga de adrenalina no coração e pode levar à insuficiência cardíaca temporária similar ao infarto Por Keli Magri Dor no coração. Pode ser saudade de quem se foi, preocupação com uma doença grave, trauma causado por um acidente ou uma separação conjugal. O órgão......
Embalagens verdes15/06 Cientistas buscam plástico biodegradável de qualidade Os plásticos são compostos por carbono. A origem de grande parte deste elemento químico ainda é o petróleo, matéria-prima fóssil......
Caranguejos que salvam vidas24/07 Indústria bioquímica depende destes animais para produção segura de medicamentos A expressão sangue azul data do Egito Antigo, está cercada por estigmas étnicos e raciais e é sinônimo de......

Voltar para NOTÍCIAS