Postado em 26 de Junho de 2017 às 14h29

Pará terá primeiro viaduto do País para travessia da fauna

Resp. Ambiental (35)

Como uma ponte para ajudar a passagem da vida selvagem com segurança pelas vias, projeto visa diminuir o atropelamento de animais.

Visando reduzir o número de atropelamentos de animais nas rodovias, o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) concedeu uma determinação a favor da Licença de Instalação (LI) nº 934/2013, emitida para a construção do Ramal Ferroviário Sudeste do Pará, que resultou na criação do primeiro viaduto para travessia de fauna (overpass) do Brasil.

Como uma pontes de animais para ajudar a passagem da vida selvagem com segurança pelas vias, o projeto, inédito em território nacional, irá fazer uma nova construção sobre a ferrovia, que cruza a Floresta Nacional de Carajás em dois pontos onde a vegetação está em estágio médio ou avançado de regeneração. Para definição dos locais mais adequados para criação da travessia, cada trecho foi projetado conforme a análise de características do local, como: o tráfego da região, condições das estradas, paisagem espacial e até o porte dos animais silvestres presentes nas redondezas.

De acordo com o Ibama, Estudos de Ecologia de Estradas estimam que anualmente cerca de 450 milhões de animais selvagens morrem atropelados nas estradas e ferrovias brasileiras, que se estendem por aproximadamente 1,7 milhão de quilômetros.

“Ao possibilitar uma travessia segura para os animais e permitir a dispersão de espécies que precisam de áreas extensas para sua sobrevivência, os viadutos não apenas reduzem a perda de biodiversidade, mas também os acidentes envolvendo pessoas”, afirmou o Instituto em nota.

Desta forma, o objetivo do viaduto inédito, além de possibilitar uma travessia segura para os animais, é permitir a dispersão de espécies que necessitam de áreas mais extensas para sobreviver, evitando a perda da biodiversidade e possíveis acidentes.

Exemplos internacionais

A solução mais procurada para atender à essa classe de animais, até então, era a instalação de túneis subterrâneos, mas o resultado positivo do uso de overpass para fauna em países da Europa e América do Norte chamaram atenção da equipe de licenciamento ambiental brasileira, que decidiu apostar na eficiência da medida em território nacional.

O Ibama confirmou que já existem registros de trânsito de capivaras, tatus, jaguatiricas, tamanduás-bandeira, cachorros do mato, cutias, iguanas e gatos-mouriscos no local. Outras 30 passagens foram instaladas ao longo dos 100 quilômetros do ramal.

Essas informações serão apresentadas semestralmente pelo Programa de Monitoramento e Mitigação de Atropelamento de Fauna previsto na licença.

 

*Informações: Pensamento Verde e Assessoria de Imprensa do Ibama

Revista Servioeste Saúde e Meio Ambiente - O Parque Nacional de Banff, em Alberta, Canadá, abriu seis viadutos e 38 passagens inferiores para manter a segurança da vida selvagem local.
O Parque Nacional de Banff, em Alberta, Canadá, abriu seis viadutos e 38 passagens inferiores para manter a segurança da vida selvagem local.

Veja também

A floresta que fabrica chuva25/09/19 Rios voadores gerados pelas árvores da Amazônia carregam 20 bilhões de toneladas de água por dia e representam a evolução da vida com a atmosfera. Por outro lado, desmatamento provoca mudanças climáticas e coloca em risco o abastecimento no Brasil Keli Magri Uma árvore consegue absorver mais de três mil litros de água de chuva,......
Projeto Compostar coleta lixo orgânico no DF27/07/18Projeto que oferece coleta por assinatura já reciclou cerca de 80 toneladas de resíduos orgânicos que seriam enviados para os aterros de Brasília. Os jovens do Projeto Compostar cuidam de um assunto muito delicado e problemático, o lixo. Aproveitando-se da brecha para empreender com lixo orgânico, o Projeto Compostar recicla e transforma em adubo os resíduos gerados nas......
Descarte correto de cosméticos13/10/17Todo mundo usa, mas poucos sabem que produtos de higiene pessoal ou maquiagens não devem ser tratados como lixo comum. Por Carol Bonamigo Antes de mais nada, é importante definirmos do que estamos falando. Conforme Resolução da Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (RDC Anvisa) nº 7/2015,......

Voltar para NOTÍCIAS