Postado em 27 de Julho de 2017 às 13h56

Consumo Colaborativo

Resp. Ambiental (29)

Baseado em ajuda mútua e responsabilidade socioambiental, esse novo tipo de consumo tem em sua essência o compartilhamento e a troca de experiências.

O consumo consciente é tido como uma prática sustentável que permite o reaproveitamento do produto para a mesma ou outra finalidade. Sem uma estrutura de oferta e demanda rígida e limitada, sem uso de moeda fixa, o comércio é realizado por meio de empréstimo, aluguel ou troca. Dessa forma, é possível adquirir um serviço e/ou tirar proveito da experiência que um produto proporciona sem precisar comprar um novo.

Não é de hoje que se fala da importância de estimular o pensamento sustentável das próximas gerações. A conscientização e reeducação são as melhores formas de fazer com que o futuro do planeta se torne diferente daquilo que as atuais (e preocupantes) projeções apontam.

De acordo com uma pesquisa elaborada pela Market Analysis, em algumas capitais do país, a população brasileira tem melhorado significativamente sua relação com os hábitos de consumo colaborativo. Isso porque o estudo evidencia uma série de características positivas adquiridas e postas em prática pelos brasileiros.

Revista Servioeste - Saúde e Meio Ambiente A começar por um dos mais relevantes serviços para as estatísticas e que tem contribuído de maneira significativa para a melhoria da rotina das pessoas: o sistema de caronas,...

A começar por um dos mais relevantes serviços para as estatísticas e que tem contribuído de maneira significativa para a melhoria da rotina das pessoas: o sistema de caronas, que corresponde às diversas modalidades de compartilhamento de transporte gratuito e tarifado (taxi e, principalmente, o Uber).

Conforme a Market Analysis, o serviço é uma das atividades mais atreladas ao conceito de consumo colaborativo, com 20% de conhecimento entre os entrevistados, ficando atrás somente da troca ou venda de produtos usados (39%). Dentre as principais práticas de CC conhecidas pelas pessoas, a tendência tem subido cada vez mais e hoje representa 18%.

Outro dado interessante a respeito das caronas tem a ver com a grande incidência na prática do consumo compartilhado. A atividade lidera a lista neste quesito, tendo sido utilizada por pelo menos 54% dos entrevistados nos últimos 12 meses. A troca de livros e de eletroeletrônicos aparecem empatados na segunda posição com 37%.

Vale destacar ainda que o site de compra e venda OLX lidera o mercado de consumo colaborativo nas quatro regiões em que as pessoas foram entrevistadas (sul, sudeste, nordeste e centro-oeste), seguido pela Uber, que também apresentou grandes números. O banco Itaú, o centro cultural Daruê Malungo e o Mercado Livre também foram lembrados.

No total, 905 pessoas contribuíram para a pesquisa, que foi realizada nas cidades de São Paulo, Rio de Janeiro, Salvador, Belo Horizonte, Brasília, Curitiba, Recife, Porto Alegre e Goiânia.

 

*Fonte: Pensamento Verde

Veja também

Corrida pela sustentabilidade16/04/18Indústria automobilística investe em energias renováveis e inovações tecnológicas em um caminho para a mobilidade sustentável. Cerca de 52 milhões de veículos circulam pelas vias brasileiras diariamente. Isso corresponde a uma média de um carro a cada quatro habitantes. O acúmulo de automóveis trafegando sem condições adequadas é um perigo para a população e o meio ambiente. De acordo com a Confederação Nacional da Indústria (CNI) e......
8º Fórum Mundial da Água acontece em Brasília21/03/18Até sexta-feira (23), participantes terão oportunidade de mostrar produtos e serviços e fechar negócios. Na manhã desta segunda (19), da cerimônia oficial de abertura do 8º Fórum Mundial da Água, que começou no domingo (18), com o lançamento da Expo no Estádio Nacional de Brasília Mané Garrincha.......
Estiagem traz prejuízos para SC22/09/17Falta de chuvas já resulta em prejuízos para lavouras de trigo. A falta de chuvas começa a preocupar os produtores catarinenses de trigo. A estiagem já prejudica as lavouras, que estão em fase de florescimento, e as projeções são de uma safra 2017/18 até 30% menor do que a......

Voltar para (NOTÍCIAS)