Postado em 29 de Março de 2018 às 15h10

Transplante de Tecido Ocular

Gestão de Saúde (33)

Banco de Olhos de Volta Redonda é responsável por 40% dos transplantes no estado do Rio de Janeiro.

O Banco de Tecido Ocular de Volta Redonda, inaugurado em 2010, soma 1.196 córneas fornecidas para transplante até 2017 e é responsável por 40% dos procedimentos realizados no estado do Rio de Janeiro. Em 2018, o estado realizou entre janeiro e março mais 144 transplantes de córnea, sendo 30 delas fornecidas pela unidade de Volta Redonda.

O Banco de Olhos do município é responsável pela captação de tecido ocular em 34 cidades do Sul do estado do Rio. Hoje, cerca de 20 córneas são captadas por mês pelas equipes de Volta Redonda, mas o objetivo é alcançar a média de 30 córneas mensais.

De acordo com a coordenadora do Banco de Tecido Ocular de Volta Redonda, Michele Antoniol Gama, o aumento da coleta depende de dois fatores principais. “A pessoa deve comunicar à família o desejo de doar órgãos e tecidos, pois são os familiares que autorizam, ou não, a doação. Outro fator importante é que as instituições parceiras, hospitais da região de abrangência, façam a notificação dos óbitos”, explicou.

O oftalmologista Gustavo Guerra, responsável técnico pelo Banco de Olhos, explica o trabalho da unidade. “Quando o banco é notificado sobre um possível doador, uma equipe segue para o local e o primeiro passo é a entrevista com os familiares sobre a importância da doação. Sendo autorizada a coleta, a equipe capta a córnea e a esclera e leva ao Banco de Olhos, onde o material é processado e encaminhado para transplante”, falou.

Ele completa afirmando que para doar é preciso ter entre dez e 79 anos. E cada doador pode beneficiar quatro pacientes. Cada córnea é encaminhada para uma pessoa diferente e as escleras, normalmente utilizadas em enxertos oculares, também servem uma para cada paciente.

*Matéria: Renata Borges
Foto: Evandro Freitas | Secom/VR

Veja também

Confirmado primeiro caso autóctone de chikungunya em SC09/03/18DIVE confirma primeiro caso autóctone de febre chikungunya em Santa Catarina. A Diretoria de Vigilância Epidemiológica (DIVE) confirmou o primeiro caso autóctone de febre chikungunya em uma pessoa residente no município de Cunha Porã, na Microrregião Oeste de Santa Catarina.O diagnóstico foi confirmado pelo Laboratório Central de Saúde Pública (Lacen) da Secretaria de Estado da Saúde (SES). Segundo a......
Recolhimento de Resíduos de Saúde10/07/18Volta Redonda/RJ recolhe, em média, 16 toneladas de Resíduos de Serviços de Saúde por mês. Seguindo orientações da ANVISA, a secretaria de Saúde de Volta Redonda, no Rio de Janeiro, iniciou, em 2017, um projeto de elaboração, implementação e capacitação sobre o Plano de Gerenciamento de......
Planos de saúde terão que cobrir novos exames e tratamentos23/06/17Desta vez serão incluídos 15 procedimentos, a maioria contra o câncer, além de novos medicamentos. A recusa de cobertura pelos planos de saúde é a maior dor de cabeça dos segurados. E agora a Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) quer incluir 15 procedimentos na lista de exames e tratamentos de cobertura......

Voltar para NOTÍCIAS