Postado em 16 de Abril de 2018 às 15h11

Canoas Mais Leve

Gestão de Saúde (33)

Iniciativa de combate a obesidade em município gaúcho oferece atendimento multidisciplinar.

Por Marcela Panke

A Secretaria Municipal da Saúde da Prefeitura de Canoas (RS) implantou, em 2017, o projeto Canoas Mais Leve, que tem o objetivo de combater a obesidade e doenças relacionadas no município. O Sistema de Vigilância Alimentar e Nutricional (Sisvan) do Ministério da Saúde aponta que a obesidade atinge 38,9% das mulheres adultas de Canoas e 32,85% entre os homens.

A iniciativa mantém grupos nos quatro quadrantes da cidade. O atendimento é feito com uma equipe multidisciplinar composta por nutrólogo, nutricionistas, psicóloga, psiquiatra, educador físico e assistente social. Conforme a coordenadora do programa, Amanda Barros, os pacientes que podem fazer parte do Canoas Mais Leve precisam atender alguns critérios. “Adultos a partir de 18 anos com Índice de Massa Corporal (IMC) acima de 30Kg/m2, com ou sem comorbidades associadas”, disse.

Índices Alarmantes

Revista Servioeste Saúde e Meio Ambiente Índices Alarmantes Amanda ainda destaca que os índices de obesidade de Canoas são próximos da realidade dos Estados Unidos, onde o problema já é considerado uma epidemia....

Amanda ainda destaca que os índices de obesidade de Canoas são próximos da realidade dos Estados Unidos, onde o problema já é considerado uma epidemia. “Nós queremos reduzir os índices de mortalidade e prolongar a expectativa de vida com qualidade. Hoje, 50% dos pacientes que chegam a óbito por doenças crônicas morrem antes dos 70 anos”, frisou.

A coordenadora do programa aponta que, ao perder em 10% o peso corporal, o paciente apresenta queda na pressão arterial, diminuição da glicemia, colesterol e triglicerídeos, reduzindo o risco para doença cardiovascular, que é uma das principais causas de morte no mundo e em Canoas.

*Fotos: Divulgação/Vinicius Thormann

Veja também

Aumentam os focos de Aedes aegypti em Santa Catarina16/08/17Boletim epidemiológico aponta aumento de casos de febre de chikungunya no estado. Foto: Eduardo Seidl | Palácio Piratini O número de focos do mosquito Aedes aegypti vem crescendo em Santa Catarina. Em apenas 15 dias, 121 novos focos foram identificados no estado, de acordo com o boletim epidemiológico divulgado nesta terça-feira, 15, pela Diretoria de Vigilância Epidemiológica da Secretaria de Estado da Saúde (Dive/SES), em......
Confirmado primeiro caso autóctone de chikungunya em SC09/03/18DIVE confirma primeiro caso autóctone de febre chikungunya em Santa Catarina. A Diretoria de Vigilância Epidemiológica (DIVE) confirmou o primeiro caso autóctone de febre chikungunya em uma pessoa residente no município de Cunha Porã, na Microrregião Oeste de Santa Catarina.O diagnóstico......
Covid-19 - infodemia23/03/20 "É tempo de fatos, não de medo. É tempo da ciência, não de rumores. É tempo da solidariedade, não do estigma." Tedros Ghebreyesus, diretor-geral da OMS. A Organização Mundial da......

Voltar para NOTÍCIAS