Postado em 05 de Abril de 2021 às 08h50

Cuidados no descarte de agulhas, seringas e medicamentos

Especial (28)

      Home health care ou home care é um modelo personalizado de atenção à saúde. Idosos, crianças, portadores de enfermidades agudas ou crônicas e até pets recebem atendimento médico em domicílio ou realizam tratamentos de saúde em casa.

      Revista Servioeste Saúde e Meio Ambiente Myrian Vivan Jung, educadora física aposentada, faz uso de insulina injetável há 22 anos. Até pouco tempo atrás, usava uma seringa com agulha por dia. Agora, faz uso da...

      Myrian Vivan Jung, educadora física aposentada, faz uso de insulina injetável há 22 anos. Até pouco tempo atrás, usava uma seringa com agulha por dia. Agora, faz uso da caneta de insulina. São duas agulhas por dia e uma caneta a cada três dias. Em 2006, teve recidiva de câncer de pele e realizou tratamento domiciliar injetável três vezes por semana. “Por muitos anos guardei esse material com certo apego, afinal, foi o que me manteve viva. Pensava em fazer um quadro ou obra de arte. Rita, minha companheira, me fez repensar e decidi me desfazer. Fui até o posto de saúde buscar informações. Disseram para armazenar numa garrafa pet e levar até o posto que eles entregam para empresa especializada.”

      É preciso ter cuidado especial no descarte dos resíduos gerados nestes momentos: agulhas, seringas, gases, algodão e cotonetes sujos ou contaminados requerem destinação correta.

      Tina passou por oito tratamentos para fertilização in vitro até o nascimento da filha, em 2019. Utilizou hormônio injetável por muito tempo. Foram centenas de agulhas. Ela e o marido, ambos professores universitários, tinham noção de que deveriam encaminhar o material para local específico. “Por conter agulha e resíduos de hormônio, sabíamos que não dava pra jogar no lixo doméstico. Meu marido levava ao posto de saúde”, lembra Tina (nome fictício, pois a entrevistada optou por não se identificar).

      No caso de pacientes crônicos, acamados e que geram maior volume de resíduos de saúde, como sondas, gases, escalpes, a solução é contratar empresa especializada na coleta para que estes materiais sejam encaminhados ao tratamento para eliminação de agentes biológicos e disposição final em aterro, visando minimizar riscos de acidente e contaminação.

      Iliane Régio, enfermeira da Lar e Saúde Assistência Domiciliar, relata que o atendimento a pacientes que geram resíduos de saúde já inclui a disponibilização de embalagens próprias para o descarte, assim como a coleta, tratamento e disposição final destes materiais. “Nós orientamos os cuidadores sobre os tipos de resíduos e oferecemos um folder para ajudar no momento do descarte em cada lixeira”, ressalta Iliane.

      Nunca descarte agulhas, seringas, objetos cortantes ou medicamentos no lixo comum. (Foto flagrante Chapecó - SC, março de 2021).

      Lâminas, navalhas, agulhas, ampolas usadas enquadram-se como resíduos perfurocortantes. Além de possível contaminação biológica ou química, este resíduos podem causar acidentes, portanto, não devem ser descartados no lixo domiciliar.

      Os usuários destes materiais podem colocá-los em garrafas PET identificadas e entregar nos postos de saúde. Medicamentos vencidos ou em desuso devem ser encaminhados às farmácias para logística reversa.

      Veja também

      Transporte sustentável17/06/20 Veículos elétricos ultrapassam 29 mil unidades em circulação no Brasil. No mundo, modalidade já soma sete milhões Com poluição zero e 100% silenciosos, os veículos elétricos surgem como uma alternativa tecnológica para reduzir os impactos ambientais provocados pelo transporte urbano no Brasil e no mundo. Esses impactos vão desde......
      Entrevista com Augusto Cury24/06/20 “O mundo virou psicótico” Médico psiquiatra, pesquisador e escritor. Autor de best-sellers publicados em mais de 70 países, mais de 30 milhões de livros vendidos somente no Brasil. Augusto Cury é autor da......
      A vida em um planeta paralelo18/12/19 Transtorno do Espectro Autista (TEA) atinge 1% da população mundial e um a cada 59 brasileiros. Famílias escrevem cartas para a Revista e contam como lidam com o autismo que desafia a medicina  Keli Magri Gabriel,......

      Voltar para NOTÍCIAS