Postado em 10 de Julho de 2018 às 16h02

Recolhimento de Resíduos de Saúde

Gestão de Saúde (28)

Volta Redonda/RJ recolhe, em média, 16 toneladas de Resíduos de Serviços de Saúde por mês.

Seguindo orientações da ANVISA, a secretaria de Saúde de Volta Redonda, no Rio de Janeiro, iniciou, em 2017, um projeto de elaboração, implementação e capacitação sobre o Plano de Gerenciamento de Resíduos de Serviços de Saúde (PGRSS), com objetivo de reduzir os riscos característicos à produção dos resíduos que possam causar danos ao meio ambiente e a saúde pública. No município são recolhidos, em média, de 16 toneladas de Resíduos de Serviços de Saúde por mês.

“Os resíduos são coletados nas unidades geradoras e encaminhados até a unidade de tratamento, utilizando técnicas que garantem a preservação e a integridade dos trabalhadores, da população e do meio ambiente, por empresas terceirizadas contratadas e licenciadas para as atividades”, explicou a coordenadora do Programa de Gerenciamento de Resíduos de Serviços de Saúde, Maria Cristina Azevedo.

De acordo com a secretaria, os resíduos são divididos em quatro grupos: resíduos com a possível presença de agentes biológicos que, por suas características, podem apresentar risco de infecção; resíduos contendo produtos químicos que podem apresentar risco à saúde pública ou ao meio ambiente; resíduos que não apresentam risco biológico, químico ou radiológico à saúde ou ao meio ambiente; e resíduos perfuro cortantes ou escarificantes.

O início do Programa de Gerenciamento de Resíduos de Serviço de Saúde foi em maio de 2017, com a capacitação inicial das gerentes das unidades básicas de saúde. Desde então os avanços foram inúmeros, desde a conscientização dos profissionais sobre a importância do gerenciamento correto dos resíduos, redução dos riscos inerentes a produção e acidentes envolvendo os perfuros cortantes.

“De acordo com uma política orientada pelo prefeito Samuca Silva e adotada pela secretaria municipal de saúde a adoção de um programa gerenciamento de resíduos de saúde institucionaliza procedimentos a serem seguidos pelas equipes de saúde e protege o meio ambiente e os próprios profissionais”, falou o secretário de Saúde de Volta Redonda.

Foram realizadas 63 capacitações, abrangendo as gerentes das unidades, auxiliares de serviços gerais, agentes comunitários de saúde, coordenadores das Clínicas Odontológicas Concentradas e Centros de Especialidades Odontológicas, técnicos de saúde bucal e palestra no Conselho Regional de Odontologia. Foram capacitadas 55 unidades, totalizando, 798 profissionais, envolvendo toda rede municipal de saúde de Volta Redonda.

O prefeito de Volta Redonda, Samuca Silva, falou sobre a os inúmeros benefícios do Plano de Gerenciamento de Resíduos de Serviços de Saúde. “O descarte correto dos resíduos de serviços de saúde favorecem a preservação dos recursos naturais e o atendimento aos requisitos de qualidade e de saúde pública, redução do impacto ambiental, entre outros”, disse o prefeito.

*Texto: Ana Maria Mansur / Secom VR

Veja também

Canoas Mais Leve16/04/18Iniciativa de combate a obesidade em município gaúcho oferece atendimento multidisciplinar. Por Marcela Panke A Secretaria Municipal da Saúde da Prefeitura de Canoas (RS) implantou, em 2017, o projeto Canoas Mais Leve, que tem o objetivo de combater a obesidade e doenças relacionadas no município. O Sistema de Vigilância Alimentar e Nutricional (Sisvan) do Ministério da Saúde aponta que a obesidade atinge 38,9% das mulheres adultas de Canoas e 32,85% entre os......
Setembro Verde01/09/17Campanha destaca importância do diagnóstico precoce do câncer colorretal. Entidades de saúde de Santa Catarina estão juntas para a campanha Setembro Verde, que tem por finalidade informar a população sobre a importância do diagnóstico precoce do câncer de intestino e reto (câncer......
Transplante de Tecido Ocular29/03/18Banco de Olhos de Volta Redonda é responsável por 40% dos transplantes no estado do Rio de Janeiro. O Banco de Tecido Ocular de Volta Redonda, inaugurado em 2010, soma 1.196 córneas fornecidas para transplante até 2017 e é responsável por 40% dos procedimentos realizados no estado do Rio de Janeiro. Em 2018, o estado realizou......

Voltar para NOTÍCIAS