Postado em 20 de Junho de 2018 às 14h34

Lançado projeto Bikeco em Canoas/RS

Gestão Pública (20)

Bicicletas ecológicas serão alternativas às carroças, que estão proibidas no Centro da cidade.

A Prefeitura de Canoas, no Rio Grande do Sul, lançou nesta terça-feira (19) o projeto "Bikeco", iniciativa que integra o Programa Canoas Sem Carroças. Após a proibição da circulação das carroças no Centro, aprovada por unanimidade na Câmara de Vereadores, a Prefeitura trabalha para oferecer alternativas aos carroceiros. No Centro, os recicladores interessados se cooperaram à Cooperativa de Catadores de Materiais Recicláveis de Canoas (Coopcamate).

A Coopcamate recebeu dez bicicletas ecológicas, acopladas a gaiolas, onde serão armazenados os resíduos recicláveis coletados na região central de Canoas. As bicicletas, batizadas de "Bikecos", serão utilizadas como instrumento de trabalho pelos coletores, que atuarão uniformizados e identificados pela cooperativa. O coordenador da Coopcamate, Flávio Aguiar, destacou que os Bikecos começam a circular após um período de construção conjunta entre cooperados, lojistas do Centro e representantes da Prefeitura de Canoas. "Esse ato é o início de uma grande caminhada e em nome da cooperativa agradecemos a disposição de todos os envolvidos. Muitas famílias carentes serão beneficiadas pela coleta dos resíduos e estamos de portas abertas para os catadores autônomos que quiserem se unir a nós".

O coordenador do Programa Canoas Sem Carroças, Alex Szekir, ressaltou que o projeto é uma política pública abrangente que prevê uma série de ações que vão muito além da simples proibição da circulação dos veículos de tração animal (VTA). Entre elas, o cadastramento social de carroceiros, ações de qualificação e de inserção no mercado de trabalho dos condutores de VTA, adequação e qualificação da coleta seletiva de resíduos sólidos na região onde está sendo implantado o programa, melhorias na mobilidade urbana e defesa animal.

"Desde 2015 vinha crescendo o movimento pelos animais, que ao contrário de nós, não têm voz. O Executivo havia proposto a proibição das carroças em oito anos. Agora, apresentamos esse projeto, a partir de uma nova iniciativa desta gestão, que abreviou o prazo para a proibição para dois anos. Foi uma grande conquista, principalmente porque era um anseio da população".

O prefeito Luiz Carlos Busato também citou a redução no prazo para o fim das carroças em Canoas, que passou de oito para dois anos, após aprovação da proposta do Executivo na Câmara. "Teve uma frase que o Alex me disse que me sensibilizou, que daqui a oito anos nenhum desses animais que estão puxando carroças hoje estará vivo. A lei, apesar de ser boa, é para outra geração de animais. Infelizmente temos casos de animais que são submetidos a até três turnos diários de trabalho, que são compartilhados entre famílias. O animal é usado até a morte. Vamos mudar esse cenário em Canoas. O Bikeco não é apenas no sentido de ecológico. Precisamos que essa ação faça eco, para que possamos discutir essa realidade".

Canoas Sem Carroças

Revista Servioeste - Saúde e Meio Ambiente Canoas Sem Carroças Inicialmente, o Programa Canoas Sem Carroças proíbe a circulação de veículos de tração animal na região central de Canoas, no...

Inicialmente, o Programa Canoas Sem Carroças proíbe a circulação de veículos de tração animal na região central de Canoas, no trecho delimitado entre as ruas Regente Feijó a Norte; avenida Getúlio Vargas a Leste; avenida Inconfidência ao Sul e avenida Victor Barreto a Oeste.

O Programa está sendo implementado pelas Secretarias do Meio Ambiente, de Desenvolvimento Social, de Serviços Urbanos, de Transportes e Mobilidade, de Desenvolvimento Econômico e pela Fundação Municipal de Saúde de Canoas.

*Fonte: Secretaria de Comunicação de Canoas
Fotos: Derli Colombo Junior/Divulgação

Veja também

Arborização Urbana12/06/17Preocupação com o meio ambiente eleva a qualidade de vida nas cidades Com o avanço urbano, as árvores disputam espaço com o concreto. O crescimento das cidades acarreta em maior poluição, alterações climáticas, dentre outras consequências que tornam o planejamento de espaços verdes tão importantes nos municípios. Investir na arborização urbana não é um......
Cultivo de ostras e mexilhões interditado em SC24/10/17Comercialização de ostras e mexilhões continua interditada durante esta semana. A interdição da comercialização de ostras, vieiras, mexilhões e berbigões devido à presença de toxina paralisante (PSP) no Litoral de Santa Catarina, anunciada na última semana pela Secretaria de......
São Paulo reduz o consumo de água em 15%06/03/18Dois anos após fim do racionamento, moradores da Região Metropolitana Paulista incorporaram medidas no dia a dia que ajudaram a diminuir o consumo. Os moradores da Grande São Paulo estão consumindo 15% menos água hoje do que há quatro anos, segundo dados divulgados pela Companhia Estadual de Saneamento Básico (Sabesp). Em fevereiro de 2014 houve o início da......

Voltar para NOTÍCIAS