Postado em 12 de Fevereiro de 2019 às 15h32

Lançado Movimento Lixo Zero Chapecó

Resp. Ambiental (35)

Decreto estabelece que a Prefeitura de Chapecó e suas secretarias municipais se tornarão efetivamente Lixo Zero, até 2020.

A Prefeitura de Chapecó apresentou na manhã desta terça-feira (12) à todas as entidades empresariais, de classe, educacionais, sindicais, culturais ou que representam qualquer tipo de movimento econômico no município o lançamento do Movimento Lixo Zero, no Centro de Eventos Plinio Arlindo De Nes.

Durante o ato, o prefeito Luciano Buligon ressaltou que cada cidadão deve fazer a sua parte para trazer melhorias para Chapecó. “Nós produzimos, pelo menos, meio quilo de lixo por dia. Se todos nós entendermos que, além do orgânico, também produzimos resíduo reciclável e podemos dar uma destinação correta ao nosso lixo, nós teríamos uma economia, no final do ano, de R$ 5 milhões. Entretanto, o mais importante não é isso, mas sim que evitaríamos situações como alagamentos na cidade – causados por entupimentos de bocas de lobo por resíduos descartados incorretamente – e tantos outras situações que, infelizmente, são corriqueiras”, refletiu.

No decorrer da coletiva, o presidente do Instituto Lixo Zero Brasil, Rodrigo Sabatini, alertou para o impacto que o movimento pode ter no município. “É uma meta ética, econômica, eficiente e visionária, que envolve governo, indústria e consumidor. Chapecó já está no caminho certo, com 14 associações de catadores de materiais recicláveis e 179 pessoas envolvidas na coleta de resíduos sólidos urbanos. Cabe a cada um se perguntar sobre os resultados das suas ações sobre essa cadeia”, questiona.

Ao final do evento, Buligon assinou um Decreto, estabelecendo que, até 2020, a Prefeitura e suas secretarias municipais se tornarão efetivamente Lixo Zero e que, até 2030, a cidade de Chapecó como um todo, de forma geral e irrestrita, se tornará efetivamente uma cidade Lixo Zero.

Lixo Zero

O conceito Lixo Zero consiste no máximo aproveitamento e correto encaminhamento dos resíduos recicláveis e orgânicos. Visa a redução ou mesmo o fim do encaminhamento desses materiais para os aterros sanitários ou para a incineração. Uma gestão Lixo Zero e? aquela que não permite que ocorra a geração do lixo, que e? a mistura de resíduos recicláveis, orgânicos e rejeitos.

No processo de conscientização, busca envolver as organizações e difundir estes quatro princípios:

  • REPENSAR: Acabar com a ideia de que resíduos são sujos. Não descartar no lixo comum materiais que poderiam ser reciclados.
  • REUTILIZAR: Diversos objetos e materiais podem ser utilizados de outra maneira antes de serem encaminhados para a reciclagem. Por exemplo, pode-se usar os dois lados das folhas de papel.
  • REDUZIR: Gerar o mínimo possível de lixo. Ao invés de lixeiras, usar residuários e contêineres para acomodar os materiais.
  • RECICLAR: Aproveitar a matéria-prima do resíduo para reproduzir o mesmo ou fabricar outro tipo de produto, sem encaminhá-lo para aterros.

Veja também

Projeto Compostar coleta lixo orgânico no DF27/07/18Projeto que oferece coleta por assinatura já reciclou cerca de 80 toneladas de resíduos orgânicos que seriam enviados para os aterros de Brasília. Os jovens do Projeto Compostar cuidam de um assunto muito delicado e problemático, o lixo. Aproveitando-se da brecha para empreender com lixo orgânico, o Projeto Compostar recicla e transforma em adubo os resíduos gerados nas residências e restaurantes de Brasília. Assim, os resíduos orgânicos que antes eram enviados aos lixões e aterros sanitários, agora......
Prédio em Cuiabá é eleito o mais sustentável da América09/04/18Edifício brasileiro vence duas categorias do Breeam Awards 2018, em Londres. O prédio brasileiro do Centro Sebrae de Sustentabilidade (CSS) conquistou dois troféus no prêmio mundial de construções sustentáveis, o Breeam Awards 2018. Realizado em Londres, em março, a......
Consumo Colaborativo27/07/17Baseado em ajuda mútua e responsabilidade socioambiental, esse novo tipo de consumo tem em sua essência o compartilhamento e a troca de experiências. O consumo consciente é tido como uma prática sustentável que permite o reaproveitamento do produto para a mesma ou outra finalidade. Sem uma estrutura de oferta e demanda rígida e limitada, sem uso de moeda fixa, o comércio......

Voltar para NOTÍCIAS