Postado em 15 de Maio de 2019 às 16h15

Fim dos canudinhos

Resp. Ambiental (35)

Santa Catarina proíbe uso de canudos plásticos em estabelecimentos comerciais

A partir de 15 de maio de 2020, os estabelecimentos comerciais de Santa Catarina não poderão mais usar canudos plásticos entre seus utensílios de serviço aos clientes. A Lei 17.727 sancionada no dia 13 de maio deste ano obriga os locais a usarem canudos fabricados com produtos biodegradáveis ou similares e prevê multa de R$1.000 para quem descumprir a legislação em vigor.

A mudança atinge hotéis, clubes, padarias, bares, lanchonetes e vendedores ambulantes de bebidas e alimentos, que têm um ano para se adequarem à lei. O objetivo é frear o impacto causado pelo plástico no meio ambiente.
Com a nova lei, os canudos devem ser de matéria pró-degradante, oxidegradáveis ou oxibiodegradáveis. Devem ser embalados individualmente, em envelope hermeticamente fechado, feito com material biodegradável e reciclável.

O projeto sancionado pelo governador Carlos Moisés (PSL) é de autoria do deputado estadual João Amin (PP) e foi elaborado em conjunto com a Federação das Indústrias do Estado de Santa Catarina (Fiesc) e o setor de material plástico do Estado.

O Rio de Janeiro foi a primeira capital brasileira a banir o uso de canudos plásticos em quiosques, bares e restaurantes, por meio de lei sancionada em 16 de julho de 2018. A multa aos estabelecimentos cariocas que descumprirem a lei é de R$3.000.

No Brasil, o estado do Rio Grande do Norte e cidades litorâneas como Fortaleza (CE), Balneário Camboriú (SC), Ilhabela (SP), Santos (SP) e Rio Grande (RS) já possuem legislação específica que proíbe o uso de canudinhos plásticos. De acordo com a Organização das Nações Unidas (ONU), ao menos 50 países têm propostas nesta área.

Tema já foi capa da Revista

A “Guerra de Canudos” ilustrou a capa da quinta edição da Revista Servioeste, em agosto do ano passado, em ampla reportagem escrita pela jornalista Carol Bonamigo sobre o impacto ambiental dos canudos descartados de forma inadequada.

A reportagem mostrou que cerca de 35% do plástico produzido é usado só uma vez, por apenas 20 minutos e o seu descarte inadequado resulta em um décimo desse produto encontrando o mar.

De acordo com a Organização das Nações Unidas (ONU), foram produzidos cerca de 322 milhões de toneladas de plástico no mundo em 2015 – e quase 8 milhões de toneladas acabaram nos oceanos. A previsão do Foresight Future of the Sea Report, relatório britânico sobre a situação dos mares, é que a quantidade de plástico nos oceanos triplique até 2025. Esta grande massa de resíduos prejudica todo um ecossistema, afetando animais e alterando, inclusive, a temperatura global. Estima-se que o lixo plástico mate até 1 milhão de pássaros marinhos, 100 mil mamíferos que vivem próximos dos mares e uma quantidade incontável de peixes todos os anos. Sem contar seu tempo de composição – cerca de dois séculos –, que garante a sua permanência por gerações, afetando milhares de criaturas marinhas todos os dias. Se este ritmo for mantido, a estimativa dos oceanógrafos é que em 2050 haverá mais plástico do que peixes nos oceanos.

Por isso, a proibição do uso de canudinhos nos estados é um passo importante para a preservação ambiental e para o futuro do planeta

Veja também

Projeto Compostar coleta lixo orgânico no DF27/07/18Projeto que oferece coleta por assinatura já reciclou cerca de 80 toneladas de resíduos orgânicos que seriam enviados para os aterros de Brasília. Os jovens do Projeto Compostar cuidam de um assunto muito delicado e problemático, o lixo. Aproveitando-se da brecha para empreender com lixo orgânico, o Projeto Compostar recicla e transforma em adubo os resíduos gerados nas residências e restaurantes de Brasília. Assim, os resíduos orgânicos que antes eram enviados aos lixões e aterros sanitários, agora......
De onde e para onde12/06/17Lidar com o tratamento de resíduos da área da saúde é uma tarefa árdua, que exige preparo e uma série de qualificações. Por Carol Bonamigo Um dos principais desafios de estabelecimentos de saúde é como coletar e transportar seus resíduos. Embora não haja dados oficiais sobre a quantidade de Resíduos de Serviços de Saúde......
Nova onda da sustentabilidade09/07/19 Hospitais apostam em construções saudáveis, que vão além da eficiência energética e garantem mais qualidade de vida Imagine um hospital que tenha espaço para lazer, ambientes com mais luz natural,......

Voltar para NOTÍCIAS