Postado em 21 de Julho às 10h08

Dengue prolifera enquanto o mundo se volta à crise da covid-19

Educação Ambiental (23)

Sem tratamento específico, a melhor medida é eliminar criadouros

Mais de 1,6 milhão de casos de dengue foram registrados nas Américas nos primeiros cinco meses de 2020. A maioria deles no Brasil: 1.040.481 casos, 65% do total. Os dados são da mais recente atualização epidemiológica da Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS). A concentração de óbitos foi nos estados da região Sul (Paraná), Sudeste (São Paulo) e Centro-Oeste (Distrito Federal, Mato Grosso do Sul, Mato Grosso). Acre, Bahia e Goiás também estão entre os estados mais afetados, relata o Ministério da Saúde. Até final de junho, foram 415 óbitos, 663 casos de dengue grave, 8.066 casos de dengue com sinais de alarme (indicadores de gravidade). Em Santa Catarina, 10 mil casos foram confirmados. Atualmente, no estado, são 10 municípios em situação de epidemia.

Bactéria do “bem”

A Fiocruz voltou a liberar exemplares do Aedes aegypti com a bactéria Wolbachia em três bairros do Rio de Janeiro (RJ), para auxiliar no controle dos mosquitos. A Wolbachia é um microrganismo intracelular presente em 60% dos insetos da natureza, mas ausente nos Aedes aegypti. Esta bactéria não infecta naturalmente espécies de mosquitos vetores mais importantes, como o Aedes aegypti. 

Em laboratório, por meio de microinjeção, a Wolbachia é transferida da mosca-da-fruta para os ovos do Aedes aegypti, sem intervenção genética. Quando presente nestes mosquitos, esta bactéria impede que os vírus da dengue, zika, chikungunya e febre amarela se desenvolvam no mosquito, contribuindo para redução das doenças. 

A ação da Fiocruz consiste em liberar Aedes aegypti com Wolbachia para que se reproduzam com as espécies locais e estabeleçam uma nova população de mosquitos com Wolbachia. O trabalho é um esforço coletivo da Fiocruz e World Mosquito Program (WMP), iniciativa global sem fins lucrativos de combate a doenças transmitidas por mosquitos. O Método Wolbachia, iniciado por pesquisadores australianos da Universidade de Monasha, é uma forma segura, natural e autossustentável de reduzir a ameaça de doenças transmitidas pelo Aedes aegypti. O WMP opera em 12 países ao redor do mundo.

Prevenção

Como a dengue não tem tratamento específico, apenas alívio dos sintomas, a melhor medida é prevenir a proliferação dos mosquitos. Resíduos como garrafas, plásticos, latas, entulhos de construção descartados de forma inadequada, por conterem água parada, podem abrigar ovos do Aedes aegypti. Geralmente, estes criadouros estão nos quintais das residências, nos comércios, ferros velhos, terrenos baldios, ressalta a Diretoria de Vigilância Epidemiológica de Santa Catarina (DIVE/SC).

“Se todos agirmos sistematicamente para eliminar os habitats dos mosquitos, podemos dar um contragolpe na dengue, reduzindo o risco de transmissão”, afirma o chefe de doenças negligenciadas, tropicais e transmitidas por vetores da OPAS, Luis Gerardo Castellanos.

Atenção aos sintomas

Os vírus causadores da dengue, Chikungunya e zika são transmitidos pelo mosquito Aedes aegypti. Estas doenças apresentam sinais e sintomas parecidos, mas com níveis de gravidade diferentes. Pessoas com sintomas de dengue, incluindo febre, dores musculares e de cabeça, devem procurar atendimento médico e alertar aos sinais de gravidade, como vômitos persistentes, dor abdominal intensa e tontura.

Veja também

Orientações sobre descarte correto de lixo orgânico08/08/17Ministério do Meio Ambiente traz diversas formas de compostagem dos resíduos orgânicos, visando impulsionar o método no Brasil e proteger o meio ambiente. A sanção da Lei nº 12.305/2010, que instituiu a Política Nacional de Resíduos Sólidos, trouxe diversas diretrizes, objetivos e responsabilidades para toda a sociedade brasileira. No que tange aos resíduos orgânicos, implantar sistemas de compostagem e articular com os agentes econômicos e sociais formas de utilização do composto produzido......
Revista Servioeste ganha prêmio regional de Jornalismo Ambiental07/12/18Publicação também foi finalista estadual na categoria mídia impressa. Aconteceu na noite de 4 de dezembro a entrega do 11º Prêmio IMA de Jornalismo Ambiental, promovido pelo Instituto do Meio Ambiente de Santa Catarina, em Florianópolis. A Revista Servioeste recebeu o troféu de primeiro lugar......
Brasil Sem Frestas20/01 Iniciativa transforma embalagens de papel em revestimento térmico para casas e muda a realidade de centenas de famílias em 36 cidades do Brasil Por Angela Piana Era setembro de 2009, uma noite de tempestade na cidade gaúcha de......

Voltar para NOTÍCIAS