Postado em 16 de Abril de 2018 às 15h11

Canoas Mais Leve

Gestão de Saúde (33)

Iniciativa de combate a obesidade em município gaúcho oferece atendimento multidisciplinar.

Por Marcela Panke

A Secretaria Municipal da Saúde da Prefeitura de Canoas (RS) implantou, em 2017, o projeto Canoas Mais Leve, que tem o objetivo de combater a obesidade e doenças relacionadas no município. O Sistema de Vigilância Alimentar e Nutricional (Sisvan) do Ministério da Saúde aponta que a obesidade atinge 38,9% das mulheres adultas de Canoas e 32,85% entre os homens.

A iniciativa mantém grupos nos quatro quadrantes da cidade. O atendimento é feito com uma equipe multidisciplinar composta por nutrólogo, nutricionistas, psicóloga, psiquiatra, educador físico e assistente social. Conforme a coordenadora do programa, Amanda Barros, os pacientes que podem fazer parte do Canoas Mais Leve precisam atender alguns critérios. “Adultos a partir de 18 anos com Índice de Massa Corporal (IMC) acima de 30Kg/m2, com ou sem comorbidades associadas”, disse.

Índices Alarmantes

Revista Servioeste Saúde e Meio Ambiente Índices Alarmantes Amanda ainda destaca que os índices de obesidade de Canoas são próximos da realidade dos Estados Unidos, onde o problema já é considerado uma epidemia....

Amanda ainda destaca que os índices de obesidade de Canoas são próximos da realidade dos Estados Unidos, onde o problema já é considerado uma epidemia. “Nós queremos reduzir os índices de mortalidade e prolongar a expectativa de vida com qualidade. Hoje, 50% dos pacientes que chegam a óbito por doenças crônicas morrem antes dos 70 anos”, frisou.

A coordenadora do programa aponta que, ao perder em 10% o peso corporal, o paciente apresenta queda na pressão arterial, diminuição da glicemia, colesterol e triglicerídeos, reduzindo o risco para doença cardiovascular, que é uma das principais causas de morte no mundo e em Canoas.

*Fotos: Divulgação/Vinicius Thormann

Veja também

Chapecó registra primeiro óbito por meningite06/09/17Até o final de agosto deste ano, Santa Catarina confirmou 552 casos de meningites, com um total de 39 óbitos. Após a confirmação do primeiro óbito por meningite bacteriana na cidade de Chapecó, a população ficou apreensiva com a possibilidade de surgirem mais casos da doença. De acordo com a médica infectologista Carolina Ponzi, a vítima, um rapaz de 22 anos, apresentava um quadro clínico que indicava meningococcemia – infecção......
Cabeça e coração18/12/19 Relação bidimensional entre depressão e doenças cardiovasculares desafia medicina a aprimorar diagnóstico e tratamento Por Keli Magri O que os transtornos mentais têm a ver com as doenças......

Voltar para NOTÍCIAS